O criador de “Kagurabachi” teve que abandonar a universidade para se concentrar no mangá

Em menos de um ano desde sua estreia na Shonen Jump, Kagurabachi já se tornou um nome familiar no mangá. Desde ganhar fama viral antes de seu primeiro capítulo chegar às lojas até se tornar uma série de sucesso certificada, Kagurabachi rapidamente se tornou parte integrante da programação da revista.

Surpreendentemente, se não fosse a pandemia, esta história de sucesso poderia nunca ter acontecido.

O criador de Kagurabachi, Takeru Hokazono, revelou que a pandemia desempenhou um papel fundamental em sua decisão de seguir carreira no mangá. Como estudante universitário durante o bloqueio, Hokazono se viu com mais tempo disponível e decidiu canalizar sua paixão pelo desenho para a criação de mangá.

“Kagurabachi” (Créditos: Takeru Hokazono)

“Me formei em design de produto e estava criando móveis e cadeiras. Eu gostava de desenhar, mas não fazia muito isso na universidade. No entanto, sempre adorei Naruto e sempre achei vagamente que mangá é ótimo, quero me tornar um artista de mangá”, compartilhou Hokazono com Asahi.

“Na primavera de 2020, quando a pandemia atingiu, minha universidade mudou para aulas online. Com mais tempo em casa, pensei em tentar. Tentei desenhar algumas páginas observando e aprendendo, e foi incrivelmente difícil… Mas senti que queria continuar fazendo isso.

Então, por volta de junho do meu segundo ano, abandonei a universidade e comecei a me concentrar em mangá. Como era difícil, pensei que não poderia tratar isso apenas como um hobby.”

Uma ilustração para “Kagurabachi”(Créditos: Takeru Hokazono)

Seguindo seu instinto, a decisão de Hokazono valeu a pena. Com dois volumes em seu currículo e mais de 200.000 cópias vendidas globalmente, Kagurabachi se tornou um dos principais concorrentes da Shonen Jump.

A série ganhou até elogios de figuras influentes como o criador de My Hero Academia. Se você ainda não…

Autor